Jogger é o primeiro Dacia a receber versão híbrida com 140 CV

1 year, 5 months atrás - 20 Dezembro 2022, motor24
Jogger é o primeiro Dacia a receber versão híbrida com 140 CV
O Jogger é o primeiro modelo híbrido da Dacia, abrindo assim um novo capítulo para a marca romena do Grupo Renault ao propor uma solução híbrida na gama de um modelo já existente.

A primeira aposta é no sistema híbrido de 140 CV de potência, que na prática é o sistema E-Tech de modelos como o Clio e Captur da Renault.O sucesso do Jogger, MPV de sete lugares, fica bem patente na quantidade de encomendas que a Dacia já recebeu para este modelo: mais de 83.000 pedidos desde o lançamento, em março de 2022, propondo espaço e funcionalidade a um preço mais acessível, mas juntando também um pouco mais de estilo.

Atualmente, a gama conta apenas com versões a gasolina e GPL (ECO-G 100), sendo esta última cada vez mais representativa das vendas em solo nacional, com 85% das vendas a corresponderem à versão GPL. Além disso, no mercado nacional, dois terços dos clientes escolheram o nível de acabamento mais elevado, enquanto 84% optaram pela versão de sete lugares.

A partir de janeiro, o passo seguinte é dado com a chegada da versão Hybrid 140, que incorpora transmissão automática e uma caixa de velocidades sem embraiagem, oferecendo uma potência combinada de 140 CV, bem como os melhores níveis de consumo de combustível e de emissões de CO2 da gama Jogger.

Tal como já foi indicado, o sistema híbrido do Jogger aproveita a tecnologia apresentada anteriormente noutros modelos do Grupo Renault, com base num motor 1.6 a gasolina de quatro cilindros e 90 CV, associado a dois motores elétricos (um e-motor de 50 CV e um motor de arranque/gerador de alta tensão) e uma caixa de velocidades elétrica (automática), com quatro velocidades para o motor de combustão e duas velocidades acopladas ao motor elétrico. A ausência de embraiagem permitiu à Dacia integrar esta tecnologia combinada. A complementar o conjunto está a bateria de iões de lítio de 1.2 kWh (230 V), que tem uma garantia de oito anos ou 160.000 quilómetros para maior tranquilidade do cliente da marca.

O foco deste modelo está na utilização do motor elétrico numa grande parte da condução urbana, sugerindo mesmo que até 80% do tempo de viagem pode ser feito apenas com recurso ao modo elétrico. Em resultado, pode oferecer economia de combustível até 40% superior em comparação com um motor de combustão interna, em ciclo urbano, quando conduzido da mesma forma.A bateria carrega quando o condutor trava ou abranda, valendo-se de travagem regenerativa para o efeito, havendo um modo dedicado ‘B’ no seletor da caixa, que incrementa a intensidade da desaceleração ao mesmo tempo que aumenta a energia recolhida pela bateria, limitando a necessidade de recorrer ao travão convencional. De acordo com a marca, a autonomia pode assim superar os 900 quilómetros (em ciclo combinado WLTP).

Adicionalmente, esta nova versão híbrida não efetua quaisquer compromissos no espaço de carga ou na lotação, graças ao facto de a integração de uma bateria de tração para o motor híbrido ter sido planeada logo desde o início. A bateria é instalada sob o piso do automóvel no compartimento da roda sobresselente, precisamente o mesmo local onde pode encontrar o depósito de GPL nas versões equipadas com o motor ECO-G 100.

Disponível em Portugal a partir dos 28.800€ apenas na versão SL Extreme de sete lugares, o Jogger Hybrid estará à venda por altura do lançamento em cor Cinzento Xisto (‘Schiste Grey’), além das seis outras cores de carroçaria já disponíveis.

No interior, o Jogger Hybrid 140 apresenta um painel de instrumentos específico de 7.0″, que mostra vários focos diferentes de acordo com as preferências do condutor, assim como informação essencial como, o nível de carga da bateria, a autonomia restante e fluxo de energia, para citar apenas alguns. 

Apoiamos a Ucrânia