Moradores da Rua Serpa Pinto recusam parcómetros colocados pela Câmara do Porto

30 Setembro 2018 - dn.pt

Moradores da Rua Serpa Pinto recusam parcómetros colocados pela Câmara do Porto

Cerca de 50 pessoas manifestaram-se hoje contra a colocação de parcómetros na Rua Serpa Pinto, no Porto, alegando tratar-se de uma zona residencial e que pagar estacionamento trará muitos constrangimentos a quem lá vive e trabalha.

Prevista para ser uma manifestação, mas "proibida pela PSP por o pedido na Câmara do Porto não cumprir as 48 horas de antecedência ditadas pela lei", explicou o promotor Ricardo Galhardo, a ação, ainda assim, reuniu meia centena de pessoas.

Ricardo Galhardo explicou estarem "contra o alargamento dos parcómetros para uma zona que é residencial, na Rua Serpa Pinto", via que "abrange milhares de moradores e com centenas de casas e prédios sem garagem", o que faz com que os "moradores não tenham onde estacionar os seus carros".

Um abaixo-assinado com 500 assinaturas de moradores, comerciantes e trabalhadores da zona da Ramada Alta foi entregue na segunda-feira da semana passada na Assembleia Municipal do Porto, informou o promotor.

Falando de um "um negócio que vai ser quase imparável", Ricardo Galhardo explicou que a empresa concessionada "vende metade dos lugares aos moradores, custando cada um 25 euros, mas sem que isso garanta o lugar de estacionamento", tendo esta direito por cada lugar comprado "a mais um lugar" na rua.

"Os parcómetros, em vez de serem uma ferramenta para a mobilidade, como é na baixa, estão a ser transformados num negócio e nós estamos contra isso", disse.

Outro dos manifestantes, Evaristo Ribeiro, revelou haver gente "que vive há dezenas de anos" no local, "que nunca teve garagem e que agora se vê obrigada a pagar para estacionar" sem saber se "vai ter lugar na sua zona".

E denunciou: "a Rua 9 de Julho e a Rua Brito Capelo já estão no plano. Há ruas na cidade que tinham duas vias e passaram a ter apenas uma para lá colocarem parcómetros".

Questionando que "vantagens tem o cidadão do Porto com os parcómetros?", o morador perguntou se com os "milhares de euros quase diariamente amealhados" estão a "fazer hospitais, escolas ou creches?".

Comerciante na Rua Serpa Pinto, Helena Barros contou que "há comerciantes que vão também começar a pagar", expressando a sua revolta ao mencionar que estes "trabalham naquela rua, mas não residem nela".

Jerónimo Azevedo, também comerciante, trouxe à conversa outro exemplo e mais uma pergunta: "tenho uma frutaria onde, há seis anos, colocaram à frente um lugar [de estacionamento] para deficiente. Agora colocaram um parcómetro. Como é que vou conseguir diariamente descarregar as caixas de fruta?".

A vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, esteve no local para mostrar solidariedade com o protesto e vincar que votou contra esta solução na reunião camarária.

A Lusa tentou obter um comentário da Câmara do Porto, mas até ao momento, tal não foi possível.

Venda o Seu Carro