Maior Mazda de sempre para a Europa já tem data de revelação

1 month, 1 week atrás - 15 Abril 2024, razaoautomovel
Maior Mazda de sempre para a Europa já tem data de revelação
A gama de SUV da Mazda vai continuar a crescer, em mais sentidos que um, com a chegada do CX-80. Fique a saber quando será revelado.

No dia 18 de abril, a Mazda vai revelar o seu maior e mais espaçoso modelo para o mercado europeu: o CX-80, com três filas de bancos para um máximo de sete ocupantes.

Porém, antes disso, a marca nipónica já divulgou alguns pormenores daquele que promete ser o seu “porta-estandarte” na Europa.

O novo SUV com três filas de bancos vai-se posicionar acima do CX-60, apesar de ser, essencialmente, uma versão longa deste. Por isso, recorre à mesma plataforma Large Architecture.

O quão mais longo é que o CX-80 vai ser? A Mazda anuncia que terá praticamente cinco metros de comprimento e a distância entre eixos será superior a três metros — diferenças que deverão superar o CX-60 em valores a rondar os 20 cm e 15 cm, respetivamente.

Não será, no entanto, o maior SUV da Mazda. Recordamos que na América do Norte a Mazda já comercializa o CX-90, outro SUV com três filas de bancos, que é maior em todas as direções (tem 5,10 m de comprimento, por exemplo), feito propositadamente para essa parte do mundo.

O Mazda CX-80, além das dimensões acrescidas em relação ao CX-60, terál ainda três configurações para a segunda fila de bancos — incluindo uma opção com duas “cadeiras Capitão” e consola central.

Em termos de motorizações espera-se que o novo CX-80 conte com as mesmas do «irmão» CX-60. Entre elas, a híbrida plug-in de 327 cv e a e-Skyactiv D (Diesel), constituída por um bloco de seis cilindros em linha com 3,3 l de capacidade.

Fica por confirmar também se, tal como o CX-60, o novo CX-80 contará com versões de tração traseira e integral, ou se terá apenas tração integral.

Quando chega?
O processo de pré-vendas deverá arrancar já no próximo mês de maio, com as entregas do novo Mazda CX-80 a acontecerem no próximo outono.

Apoiamos a Ucrânia