Audi activesphere concept: O SUV coupé que se transforma em pick-up

1 year, 5 months atrás - 27 Janeiro 2023, motor24
Audi activesphere concept: O SUV coupé que se transforma em pick-up
Cruzando estilos, filosofias e conceitos, o Audi activesphere concept, quarto protótipo de uma linha iniciada em 2021 para demonstrar as potencialidades elétricas e da condução autónoma, vem revelar o conceito de uma berlina de maior altura ao solo pensada para aventuras bem longe do asfalto.

O conceito de transformação da carroçaria também é aqui aplicado, criando assim uma ideia bastante versátil para os seus veículos do futuro.Juntando-se aos outros modelos revelados anteriormente, o skysphere roadster em 2021 e os grandsphere e urbansphere em 2022, o activesphere concept revela a ideia da Audi para um crossover coupé de quase cinco metros (4,98 m de comprimento, 2,07 m de largura e 1,60 m de altura) e maior altura ao solo, não faltando mesmo jantes de 22 polegadas que valorizam o seu aspeto robusto (com pneus 285/55).

Com motorização elétrica e tecnologia de carregamento rápido (800 V) permitida pela plataforma modular PPE, este activesphere concept anuncia uma autonomia superior a 600 quilómetros entre carregamentos.

Característico dos modelos elétricos, o activesphere concept apresenta uma distância entre eixos de 2,97 m, oferecendo assim uma habitabilidade melhorada para os ocupantes. A ideia em termos de design, com uma linha de tejadilho suave, foi a de criar um modelo quase como monolítico, sem grandes arestas e distorções visuais.

Mas o activesphere concept esconde alguns elementos tecnologicamente avançados, como a secção traseira transformável em que uma ‘cama’ traseira (‘active back’) pode ser criada a partir de um simples toque num botão para assim transportar bicicletas ou equipamento mais volumoso. Aliás, esse é um dos conceitos-chave para o activesphere concept, a ideia de se poder transformar rapidamente entre uma berlina e uma pick-up espaçosa atrás para até duas bicicletas elétricas no compartimento de carga.

Mas há muito mais. As jantes, por exemplo, conseguem alterar o seu desenho consoante as necessidades: em utilização fora de estrada, contam com segmentos móveis que se abrem para ventilação otimizada dos componentes, enquanto na estrada fecham para melhorar a eficiência aerodinâmica. Os espelhos retrovisores convencionais foram também substituídos por câmaras para reduzir o atrito aerodinâmico.Em termos estilísticos, a dianteira conta com nova interpretação da grelha ‘Singleframe’, desenhada numa superfície transparente que deixa observar a bagageira dianteira, havendo ainda outras superfícies vidradas no veículo, como na zona lateral inferior das portas, ou no tejadilho. A tecnologia de iluminação dianteira em micro-LED, por seu turno, vem enfatizar uma ideia que já foi apresentada no grandsphere, com um olho simulado que permite variações na assinatura luminosa consoante os modos de condução em estrada ou fora dela.

O aspeto enfatiza, então, a sua competência e robustez para saídas fora de estrada, com cavas das rodas volumosas e uma altura ao solo que pode aumentar 40 mm face aos 208 mm da distância ao solo base, ou reduzir-se no mesmo valor quando circula em estrada, graças à suspensão pneumática. Com isso, beneficia o centro de gravidade e a aerodinâmica. Para reforçar a sua capacidade off-road, apresenta ângulos de ataque e de saída de 18.9º e de 28.1º, respetivamente.

É aqui que a Audi cruza o futuro com o passado, ao apontar a inspiração na filosofia Allroad dos seus modelos, com o activesphere a ser o primeiro compacto desportivo a incorporar elementos de design e equipamento técnico de uma Allroad. Por este motivo, o novo conceito de carroçaria é denominado ‘active Sportback’, em contraste com o allroad.

Tal como nas outras ‘esferas’ mostradas pela Audi anteriormente, as portas dianteiras e traseiras abrem em sentidos opostos entre si, não existindo também um pilar B com claro benefícios para o acesso e saída do habitáculo.

O activesphere concept foi criado pelo Estúdio de Design da Audi em Malibu, na América, por uma equipa liderada por Gael Buzyn, que procurou conceber algo inovador. “O activesphere é único. É um novo tipo de crossover que combina inteligentemente a elegância de um Audi Sportback, a funcionalidade de um SUV e reais capacidades fora de estrada”, afirma.

Arquitetura traseira modular

Considerado pela Audi um “mestre de metamorfose”, o activesphere concept sobressai pela sua secção traseira modular. Quando pressionado um botão a bordo, o óculo traseiro desliza paralelamente ao tejadilho, enquanto a secção vertical do porta-bagagens deita-se para criar um compartimento de carga mais amplo com espaços para e-bikes, por exemplo.

Os pilares C não se alteram, mas uma comporta é ativada e sobe na zona de carga para isolar os ocupantes do banco traseiro dos elementos exteriores. Outro aspeto de destaque é a armação para skis no centro da estrutura do tejadilho que apenas é estendida também se for necessário para transporte seguro daqueles objetos.

Interior de vanguarda

A bordo, o activesphere concept volta a apelar ao conceito de esfera que isola os passageiros do mundo exterior, se preciso, proporcionando viagens com total conforto e requinte superior. A Audi assegura que os seus automóveis do futuro vão ter o interior como principal preocupação, uma vez que especificações como potência ou velocidades de ponta já não estão no topo das prioridades dos designers e dos engenheiros – embora a autonomia e eficiência sim.

O principal foco será o conforto dos passageiros, bem como o atendimento de todas as suas necessidades, começando sempre o processo de design pelo interior. A impressão inicial é a de minimalismo em que amplas superfícies desprovidas de comandos e botões dominam. A par disso, revestimentos com painéis contrastantes. Os quatro lugares individuais estão suspensos, aparentando serem extensões da grande consola central.

Quando o modelo circula em modo autónomo, o painel de instrumentos, volante e pedais desaparecem do ambiente, tornando-se invisíveis. Em especial na primeira fila abre-se um grande espaço de lazer que é complementado com as potencialidades da tecnologia e do mundo virtual em conjugação com o real.

Se o condutor desejar retomar o controlo do veículo, todos os elementos necessários à condução, então escondidos, reaparecem. O condutor e o passageiro da frente têm à sua disposição controlos MMI sem toque nas portas, acessíveis a partir dos olhos e de gestos para comandarem as janelas e os bancos, por exemplo. O túnel central, outrora usado por necessidade de esconder um veio de transmissão, surge aqui como elemento de arrumação a bordo, seja refrigerado, seja aquecido. A tampa é transparente, o que permite observar as garrafas e copos, mas também dá uma sensação de profundidade e espaço a bordo. No tejadilho estão ainda quatro headsets de realidade aumentada (RA) para o sistema de realidade desenvolvida para este modelo.

Cruzando mundos virtual e real

Na era dos avatares, metaversos e conectividade integrada, o Audi activesphere concept faz isto tudo com um novo formato de interação com o veículo. Pela primeira vez, o novo sistema combina a realidade física com a esfera digital para criar um novo mundo a que a marca deu o nome de Audi dimensions. Os já referidos headsets estão disponíveis individualmente para cada passageiro, permitindo assim atingir novos campos no domínio da interação.

É aqui usada, em estreia absoluta, uma nova tecnologia que sobrepõe os mundos real e digital com uma precisão ótica e de alta resolução, dando assim total controlo a muitos dos elementos do interior. O utilizador pode assim observar conteúdo virtual, que inicialmente fornece apenas informação sobre o mesmo. Se focar os seus olhos nessa mesma informação, assim sinalizando o seu interesse, o sistema mostra mais detalhes, tornando o conteúdo ativo e interativo, podendo assim comandá-lo com gestos. A mão pode seguir o olhar para comandar diversas funções do veículo.

A título de exemplo, os comandos do ar condicionado flutuam em frente das saídas de climatização, enquanto as funções de infoentretenimento flutua virtualmente à frente dos altifalantes do interior. Basta o utilizador focar-se nalgum desses pontos para que possa comandá-lo a partir daí. Noutras possibilidades, os gráficos topográficos com tecnologia 3D de alta resolução pode ser projetada no terreno real envolvente.

Premium sem emissões

Assentando na plataforma Premium Platform Electric desenvolvida em parceria com a Porsche, este modelo é também elétrico, numa abordagem ao refinamento sem emissões. O conceito continua a ser desenvolvido entre as duas marcas do Grupo Volkswagen com o intuito da Audi a passar pelo lançamento do seu primeiro modelo com base nesta arquitetura antes do final deste ano.

O elemento principal da plataforma PPE é o módulo de bateria plano entre os eixos, que no caso do activesphere concept tem uma capacidade de 100 kWh. Motores elétricos nos eixos dianteiro e traseiro permitem uma potência conjunta de 325 kW/442 CV e um binário máximo de 720 Nm, com sistema de tração integral quattro. A suspensão pneumática adaptativa permite variar a altura ao solo.

Com o carregamento rápido de 800 V, a bateria pode receber até 270 kW em estações de carga rápida para assim recuperar autonomia bastante rapidamente. Esta tecnologia vai entrar no segmento dos automóveis de largo volume premium com a plataforma PPE e permitirá repor até 300 quilómetros de autonomia em apenas dez minutos. Em menos de 25 minutos, a bateria de 100 kWh irá carregar de 5 a 80%, oferecendo uma autonomia máxima superior a 600 quilómetros.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Apoiamos a Ucrânia